Os Três Cultivos - A Prática da Meditação

    
    É como dizem, a vida é o resultado de inúmeras escolhas. Mas, se é isso o que fazemos ao longo de uma vida inteira, por que não aprendemos a escolher melhor, com mais segurança e menos hesitação? O que será que nos confunde e nos induz ao erro?
Já sabemos que a generosidade e a virtude são características que devem ser cultivadas, pois, na medida em que são postas em prática, geram bons resultados, como um ambiente de confiança, relações mais justas e harmoniosas, além de inúmeras oportunidades, porque, pense comigo, se é para dividir a responsabilidade de um negócio, de uma decisão ou de um projeto de vida com alguém, é óbvio que a busca será por aquele capaz de dividir os ônus e bônus, que não quer tudo para si mesmo, que tem coragem e sabedoria para enfrentar as situações, para decidir da melhor maneira, com calma e segurança. Ninguém em sã consciência quer se unir a quem não tenha certas qualidades, pois sabe muito bem o risco que decorre de certas relações. Mas pode acontecer e por quê?
A vida é dinâmica, coisas acontecem o tempo todo e, muitas vezes, sem que se tenha previsto. Além disso, quase sempre, ignoramos aquilo que de fato nos move, aquela intenção escondida por trás de cada uma de nossas ações. Discernir o certo do errado, o bom do mau, o positivo do negativo é essencial para as nossas vidas e, de certo modo, todos fazemos isso, mas, muitas vezes, de forma insuficiente por não considerarmos todos os aspectos envolvidos em cada decisão.
O mundo não é preto e branco e, às vezes, aquilo que parece bom não é tão bom assim e, se nos deixarmos levar apenas pelas aparências ou pelos nossos desejos mesquinhos, acabaremos por escolher muito mal.
Se o que queremos é uma vida boa em todos os aspectos, a primeira coisa que precisamos fazer é nos familiarizar com aquilo que é positivo. E veja que interessante, meditação em tibetano significa exatamente isso, familiarizar-se com o positivo! E o incrível é que a evolução dessa prática acontece naturalmente.
Quando começamos a praticar a meditação o nosso foco de atenção costuma ser nosso próprio corpo, começamos observando nossa respiração e no início da prática enfrentamos todo tipo de desconforto, dores no corpo, dormência nas pernas, inquietação, ansiedade, mas na medida em que nos concentramos na respiração, na medida em que insistimos na própria prática, percebemos que a calma para a qual a nossa mente está sendo direcionada é real, pois aos poucos todo o desconforto vai diminuindo a ponto de desaparecer. E isso é ou não positivo?
É claro que sim! E mais, se persistirmos, ao experimentarmos outras técnicas com outros focos de concentração, vamos gradativamente nos familiarizando com qualidades positivas, pensamentos positivos, condutas positivas, a ponto de interiorizá-las e vivenciá-las, o que certamente resultará em escolhas melhores para as nossas vidas.
Vejamos um exemplo bem prático, já parou para pensar por que é tão difícil emagrecer?
Ora, se emagrecimento é uma relação entre consumo e queima de energia, deveria ser muito simples e bastaria se exercitar mais e comer menos, mas ocorre que as pessoas tentam emagrecer, levando suas vidas normalmente, o que não está errado, e, por exemplo, se elas estão habituadas a determinada dieta ou por comodidade, ou pelo custo, ou porque gostam, ou por todos esses motivos juntos e não podem ficar sem comer, a dificuldade está em substituir esses alimentos por outros aos quais elas não estão familiarizadas e julgam serem ruins ou complicados de preparar sem nem mesmo os terem experimentado. Às vezes, não se trata de privação, mas de uma nova combinação entre os alimentos que a pessoa não consegue nem imaginar ser possível pelo simples fato de não estar familiarizada com outras possibilidades.
Para ficar bem fácil, vamos pensar na meditação como um bufê em que você entra com fome, sentindo um desconforto, um mal-estar e aí o ambiente é tranquilo e belo e isso é bom, diminui a sensação de mal-estar, o cheiro é delicioso, o torna receptivo a provar algo novo, imagine que para cada alimento aparentemente delicioso há uma descrição de todos os seus benefícios para a saúde numa combinação perfeita para o seu propósito. Com o tempo, sabendo que há várias combinações perfeitas, cada uma melhor que a outra, fica cada vez mais animado a consumi-las e, na medida em que as consome, é restabelecido por uma energia positiva que lhe traz bem-estar e satisfação pessoal.
Então, o que acha? Perfeito, não é mesmo? Meditar é ou não é tudo de bom?
Sem dúvida meditar é uma prática que traz benefícios em todos os aspectos da nossa vida, porque vai nos transformando aos poucos, vai nos preparando para o que é bom.
Fica a dica, cultive a prática da meditação para ser feliz, porque felicidade é aqui e agora.

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Contentar-se vs. Acomodar-se

Pare De Dar Desculpas

Não Aja Como Uma Pessoa Oca